PL de Max que garante segurança no transporte de carga é aprovado

Por Editor

A proposta atende ao pedido do Sindicato de Empresas de Transportes de Cargas de Mato Grosso (Sindmat) e segue para a sanção governamental

Redação

O Projeto de Lei Complementar nº 11/2019, que atribui investigação de furto ou roubo a bancos, caixas eletrônicos, defensivos agrícolas e cargas transportadas em vias terrestres, fluviais ou aéreas à Divisão de Investigações Especiais da Polícia Civil, foi aprovado no Parlamento, em segunda votação, nesta quarta-feira (12). A proposta do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Max Russi (PSB), atende ao pedido do Sindicato de Empresas de Transportes de Cargas de Mato Grosso (Sindmat) e segue para a sanção governamental.

Max Russi disse que fará uma conversa, junto ao governo do estado, para reforçar a importância de sancionar a nova medida. “Acredito na sensibilidade do governo do estado, para que esse projeto seja sancionado e assim possa dar efetividade nas investigações de roubos de cargas”, avalia.

Quem está otimista é o presidente Sindmat, Eleus Vieira de Amorim. Ele acredita que a aprovação da lei trará mais tranquilidade e segurança aos motoristas. “A aprovação dessa lei é a aprovação do salvamento de vidas. É o transportador que leva o medicamento, o alimento em época de pandemia e nunca parou. No entanto, a bandidagem continua roubando. Roubo de carga é crime organizado e precisa ser combatido”, defende.

Em 2019, o deputado Max Russi sugeriu a criação de políticas integradas de segurança pública nas rodovias federais e estaduais de Mato Grosso, em cooperação entre as forças policiais do estado e da União, no combate ao roubo de cargas e caminhões.

Na época, a Indicação nº 1372/2019, apresentada à Casa de Leis pelo parlamentar, foi encaminhada para a Superintendência Regional do Departamento de Polícia Rodoviária Federal. A intenção de Max é reforçar o combate a esse tipo de delito, assim como desarticular o modus operandi dos criminosos, por meio da instrumentalização de operações entre as polícias, tendo como base o compartilhamento de dados e a cooperação mútua.

Você pode gostar

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: